Van Halen e os 20 anos de Live: Right here, right now

Van-Halen-Live-Right-Here-Right-Now-1993

A capa “filosófica” de Live:Right here, right now.

Esse ano um dos melhores álbuns do Van Halen (na minha modesta opinião), faz aniversário. O disco duplo é o único trabalho ao vivo lançado oficialmente pelos caras há exatas 2 décadas e traz os músicos fazendo de maneira magistral as melhores versões de grandes hits da banda. Por mais que eu já tenha visto muita crítica negativa em relação a esse álbum e que ele tenha gerado certa polêmica por conta das possíveis regravações em estúdio, eu insisto em dizer que é um dos meus preferidos e que mais ouço. 

Gravado na Arena de Selland em Fresno, Califórnia, durante a turnê For Unlawful Carnal Knowledge (1992), o álbum abre com a carregada Poundcake, com destaque para a potente guitarra de Eddie Van Halen – que aliás brilha o show inteiro – fazendo valer aquela velha máxima de que ao vivo uma boa banda mostra mesmo todo seu potencial.

O vocal inigualável e cheio de garra de Sammy Hagar é outro grande ponto alto, que se destaca ainda mais em faixas como When It’s Love,  In ‘n’ Out (solo impecável) , e Top of the World (destaque para o baixo marcado de Michael Anthony).

O set list  muito bem elaborado e variado (conta até com Won’t Get Fooled Again, um cover do Who ) evitou que o disco se tornasse enjoativo, (ao contrário do que muitos críticos apitam por aí), e podemos ouvir Hagar fazendo músicas da era Lee Roth (tão bem ou até melhor do que ele), como Panama e Ain’t Talkin’ ‘Bout Love, mas dando maior ênfase ao então novo álbum da banda For Unlawful Carnal Knowledge, com canções como Judgement Day e Right Now sendo muito bem executadas no palco.

Ainda destaco Runaround, One Way to Rock (essa do projeto solo de Hagar), e Why Can’t This Be Love?, sem deixar de citar mais uma vez o excelente trabalho guitarrístico do senhor Eddie Van Halen.

Álbum obrigatório para apreciadores do hard rock e boa música em geral.

Haters gonna hate

Postado ao som do próprio Van Halen – Live:Right here, right now – 1993

Anúncios

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Álbuns, Música e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Van Halen e os 20 anos de Live: Right here, right now

  1. oceagaa disse:

    Meu único problema com esse álbum é a produção dele. Muito ruim. Parece que estamos longe, é como se ouvíssemos o show da última fileira de um estádio – principalmente a voz do Sammy, enquanto o teclado e alguns tons da bateriam soam bem evidentes (até a guitarra do Eddie fica longe muitas vezes), e esse é um problema que o disco anterior, o FUCK, também teve (curiosamente ambos produzidos pelo mesmo produtor, Andy Johns, ou seja…). Sobre os overdubs, praticamente não existe disco/vídeo ao vivo no mainstream sem overdubs – por mais que os músicos declarem não ter. Algo que eu não gosto do vídeo desse show: são várias colagens e na mesma canção aparecem imagens de shows diferentes, com os caras vestindo outras roupas. O áudio foi gravado de um show só, mas usaram imagem dos dois shows em Fresno e me lembro que eu brochava demais com isso, para mim perdia a mágica de ser um vídeo ao vivo – ainda perde, mas felizmente não é mais comum hoje em dia esse tipo de produção em vídeos ao vivo. Outra coisa legal, contando com o cover de “You Really Got Me”, são 4 faixas da era do Dave no total, que é mais da metade do que o Sammy já cantou em todas as suas passagens pelo Van Halen (só faltou “Unchained”), hahaha
    Mas se ele tivesse uma produção mais “na cara”, como teve o vídeo de Toronto ’95, seria melhor ainda de ouvir.

    E, porra, Eddie Van Halen é o maior da história. Nem antes dele, nem depois dele, existiu alguém que sequer chegue perto e tenha revolucionado tanto quanto ele e mesmo na fase Van Hagar (que é a da minha preferência, mas sem rivalidades, porque amo ambas as eras) onde o som do teclado era mais presente e as canções eram mais “açucaradas” ele perdeu a majestade.

    Curtir

    • Desert Rose disse:

      Carzenrique como sempre dando uma aula de conhecimentos musicais, sou sua fã cara e vc sabe disso! Eu prefiro o Hagar,acho que ele mais humilde, além de um excelente vocalista, e tem carisma na medida certa, longe das macaquices do Lee Roth hahaha

      Curtir

  2. Felipe Alves disse:

    Ótimo post!! Van Halen é umas das melhores bandas de Hard Rock, vale muito apena fazer um post desse falando um pouco desse album ao vivo!!

    Curtir

  3. xavisxavier disse:

    Muito bom seu post, valeu pela indicação. Vou dar uma ouvida aqui!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s