3 discos 5 estrelas de maio

boy-vest-headphones-ictcrop_300

Gostei! =)

Daqui há uns dias mais um mês se vai, porém fica a opinião da humilde serva que vos escreve sobre  os 3 disquinhos marotos  mais ouvidos  em maio, com alegria, satisfação e surpresa. =)

Tank – War Nation (2012) – Conheci esta banda há pouco tempo (que feio!), meio que de repente através do Soundcloud e gostei bastante do que ouvi. War Nation é o 8º trabalho de estúdio do grupo e traz o heavy metal em sua melhor forma. O vocal “Diozístico”de Doogie White  e as performances guitarrísticas da dupla Cliff Evans e Mick Tucker sobressaem-se neste disco que vem quebrando tudo já na primeira faixa, a homônima War Nation. Em seguida a imbatível sequência Song of the Dead, Hammer and Nails  (esta com um solo de guitarra magnífico) e  Don´t Dream in the Dark realçam ainda mais a pegada hard e heavy do disco que aconselho que seja ouvido por inteiro.

A linda balada Dreamer traz uma pegada forte e solo cativante , sem dúvida é uma das melhores do disco, que ainda trazem  as potentes Justice for All  e Wings of Heaven; o metal em sua forma mais pura com State of the Union (excelente trabalho de batera) e a música que eu chamo de perfeita para pegar a estrada numa Harley, a instrumental e poderosa Hard Road, (guitarra ultra lindíssima). Altamente recomendável.

Lembrando que  banda lançará mês que vem (lá pro dia 3) seu 9º álbum, Breath Of The Pit e minhas expectativas são as melhores possíveis.

Ray Manzarek – The  Golden Scarab (1974) – Essa semana perdemos um dos grandes nomes do classic rock, integrante de uma das minhas bandas favoritas e eu não poderia ficar indiferente a isso. Portanto vou falar rapidamente de um de seus discos solos (meu preferido). “The Golden Scarab” traz um Manzarek que brinca sem medo com elementos que vão do samba ao jazz, passando pelo som progressivo e pelo psicodélico do final dos anos 60, comecinho dos 70. Para os apreciadores do bom instrumental é um verdadeiro prato cheio. Os solos longos e a utilização de muita percussão e instrumentos pouco convencionais nos fazem entender a verdadeira viagem que é este disco.

Destaque para as faixas Solar Boat (que lembra o Doors), The Purpose of Existence Is ?  que traz a pegada do jazz,  Moorish Idol,  carregada de elementos progressivos e a  experimental Whirling Dervish, contendo um belo jogo de saxofones e combinação impecável entre baixo e piano. O disco é uma louca viagem experimental pelo mundo do percepções psicodélicas e progressivas de Ray Manzarek, que já está fazendo falta.

Queens of the Stone Age- Like… Clockwork (2013) – Nunca fui de curtir essa banda e não estava nem um pouco animada para ouvir o novo trabalho deles, mas houve tanto burburinho e tanto quebra pau entre os críticos musicais (uns amando, outros odiando e ambos brigando), que fiquei curiosa pra ouvir o porquê de tanta falação. Posso dizer que Like… Clockwork me surpreendeu positivamente e já me vejo uma fã em potencial desta banda a partir, é claro, deste disco, que mostra que os caras evoluíram ao meu ver, (veja bem, ao meu ver), em relação aos trabalhos anteriores, mostrando uma nova roupagem que muito me agradou.

O disco começa muito bem com a strip teasezesca Keep Your Eyes Peeled, com belas guitarras e um falsete que me lembrou U2 na época do Pop. I Sat by the Ocean vem na sequência com uma pegada indie puramente atraente, batida deliciosa e refrão envolvente. Difícil ficar indiferente (e parada) a essa faixa. Ainda destaco as imperdíveis If I Had a Tail, My God is the Sun, Smooth Sailing e a bela I Appear Missing mostrando que a banda acertou em cheio neste bem sucedido álbum.

Esses dias recomendei este disco a um amigo que assim como eu não era chegado ao som do Queens of the Stone Age, e ele meio que contrariado aceitou ouvir o álbum e acabou aprovando, assim como eu. E mais uma vez a música prova que quando ela é realmente de qualidade consegue e sabe magistralmente surpreender.

Postado ao som do álbum  Like… Clockwork (2013), Queens of the Stone Age.

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Álbuns, Música e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para 3 discos 5 estrelas de maio

  1. oceagaa disse:

    “(uns amando, outros odiando e ambos brigando)” e cagadores de regras expulsando membros da equipe do blog por discordar dele e ainda mandando indiretinha na própria resenha do disco, hahaha.

    Se quiser fazer a resenha do QOTSA lá pro blog, pode fazer… eu gostei do disco, mas não soube o que escrever =)

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s