Rock também é cultura: 5 sons que ensinam sobre história

Dr-Bruce-Dickinson Iron Maiden

Professor Bruce Dickinson: a maioria das músicas do Maiden contam fatos históricos.

Se você é daquela turma que acredita que rock é coisa do demo e as letras só falam do tinhoso, está tremendamente enganado. Mas eu duvido que você pense isso, afinal, se pensasse, não estaria visitando este amável blog, não é mesmo? Pois então, existe uma infinidade de bandas que relatam através de suas músicas acontecimentos ocorridos no passado mundial. Fatos históricos e relevantes são contados sempre muito bem acompanhados de riffs e solos apoteóticos. Resolvi escolher apenas cinco das diversas músicas que provam que um bom rock and roll também pode ensinar:

Iron Maiden: “Alexander the Great” (Somewhere In Time, 1986) – Uma das marcas registradas do Maiden são suas letras – a maioria – de cunho épico, sempre abordando temas como a mitologia e a história. Alexander, the Great é um exemplo. A música fala sobre do rei da Macedônia, Alexandre III, que venceu os persas e conquistou um grande império.

Rush: “Manhattan Project” (Power Windows, 1985) – Escrita pelo batera Neil Peart, Manhattan Project como o nome sugere, conta sobre o projeto de pesquisa e desenvolvimento que produziu as primeiras bombas atômicas durante a Segunda Guerra Mundial. Peart comentou certa vez que chegou a ler cerca de dez livros sobre o assunto para que tivesse uma compreensão adequada do assunto.

Siouxsie and the Banshees: “Cities In Dust” (Tinderbox, 1986) – A letra de um dos maiores hits da Siouxsie and the Banshees aborda a tragédia ocorrida na cidade italiana de Pompéia, devastada pela erupção do vulcão Vesúvio em 79 d.c, que matou 16 mil habitantes e deixou seus corpos moldados por cinzas e lama, possibilitando que fossem encontrados da maneira exata em que foram atingidas pela erupção.

Scorpions: “Wind of Change” (Crazy World, 1990 ) – A balada escrita pelo vocal Klaus Meine teve como inspiração o fim da Guerra Fria, da União Soviética e a queda do Muro de Berlim, trazendo à nação europeia o “Vento da Mudança”. Klaus se sentiu inspirado a escrever após uma visita que banda fez à Moscou, em 1989.

Europe: “Cherokee” (The Final Countdown, 1986) –   Joey Tempest canta a morte da nação Cherokee que em maio de 1838 foi expulsa à mão armada pelo governo americano. Muitos conseguiram fugir, mas cerca de 4.000 índios foram assassinados, tendo muitos dos corpos sido deixados insepultos à beira da estrada que ficou conhecida como o “Trail Of Tears” ou  Trilha das Lágrimas.

******

Postado ao som do álbum “Burning Japan Live” – Glenn Hughes, 1994.

Anúncios

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Listas, Música e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Rock também é cultura: 5 sons que ensinam sobre história

  1. rodrigo rockdrigo disse:

    mutio bom esse post, gostei mesmo

    Date: Fri, 7 Feb 2014 18:26:38 +0000 To: rodrigo_eu05@hotmail.com

    Curtir

  2. Junior E. disse:

    Cherokee é minha música favorita do Europe, que é minha banda internacional favorita!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s