Do psicodélico ao metal alternativo: os bons lançamentos do mês

090418-0853-0633

Só coisa boa!

Julho foi um mês muito rico em termos de boa música. Diversos álbuns incríveis vazaram antes mesmo de seu lançamento e escolhi os três que mais me agradaram na certeza de que em dezembro terei muito trabalho para eleger somente dez discos do ano, (visto que ainda temos alguns meses pela frente). Bora lá:

CoverBlues Pills – Blues Pills:  Se eu fosse descrever o som que a banda sueca Blues Pills faz , eu diria que se trata de um blues rock psicodélico sessentista/setentista de primeiríssima qualidade. Complicado? Nem tanto, basta ouvir o álbum debut da banda – que até então só havia lançado três eps – e você logo sacará do que estou falando. O jovem grupo formado em 2011 traz em sua formação excelentes músicos (que mais parecem saídos diretamente do festival de Monterey em 1967) e destaca merecidamente a doce e potente voz de Elin Larsson. O disco autointitulado traz dez faixas das quais destaco com louvor High Class Woman, Jupiter, Devil Man, a psicodélica Gypsy e a bluezísticas Black Smoke e Astralplane.

Pra quem gosta de riffs crus, wah-wahs, solos hipnotizantes e doces vocais , a promissora Blues Pills satisfaz e muito bem. Um dos gandes discos do ano!

Godsmack-1000hp-album-coverGodsmack – 1000Hp: Os americanos que estavam há 4 anos sem lançar material inédito voltam com tudo neste álbum que traz a essência da banda. Do motor ensurdecedor da faixa 1000hp que intitula o disco e abre os trabalhos, às trovoadas da final Turning To Stone, as dez canções que compõem o registro dos caras (na versão básica) vêm carregadas de bons riffs e viradas brutais na batera – marca registrada da banda – que faz um bom metal alternativo.

Dentre as sonzerias eu destaco as faixas Something Different, Generation Day, Locked & Loaded, I Don´t Belong e Nothing Comes Easy, que trazem riffs caprichados, batera potente, vocais arregaçados e merecem certa atenção.

Prato mais do que cheio aos que curtem o trabalho dos caras.

coverManic Street Preachers – Futurology: Futurology vai figurar facilmente entre os discos de 2014 e na minha concepção é o melhor lançado em anos pelos Manics. O álbum além de melodiosamente harmônico, traz instrumental perfeito e participações magníficas, especialmente na empolgante Europa Geht Durch Mich, que conta com a colaboração da talentosa artista alemã Nina Hoss e na deliciosa Between the Clock and the Bed com a presença do músico Green Gartside e sua voz aveludada. Destaco as incríveis Futurology, Let´s Go To War, Sex, Power, Love and Money, Misguided Missile e a graciosa instrumental  Mayakovsky.

Mais um belo trabalho de James Dean Bradfield & cia, que provavelmente já escreveu seu nome na lista de melhores discos não só do ano como da década e da carreira dos caras.

Postado ao som do álbum Use Your Illusion II(1991) – Guns and Roses

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Álbuns e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s