Um disco por ano: 90´s

anos90_cademeuwhiskey

 

Mais uma década simbolizada por lançamentos anuais que muito apeteceram esta que vos escreve. O que talvez tenha me surpreendido ao escolher estes dez álbuns foi o fato de não haver nenhum ligado ao grunge, movimento que explodiu no início dos anos 90. Fiquei entre as bandas clássicas como Scorpions, U2 e Rush, por exemplo; e entre as então promissoras bandas britânicas.

E você, já fez sua lista? Faça nos comentários e bora discutir sobre coisa boa!

ScorpionsCrazyWorld_cademeuwhiskey1990: Crazy World (Scorpions) – Impossível pensar em Scorpions sem lembrar de Wind of Change, canção presente em um dos grandes álbuns da banda, Crazy World. O 11º disco da banda traz onze faixas carregadas de melodia e boa pegada, destacando as hardonas Tease Me Please Me e Hit Between the Eyes, a já citada e lendária Wind of Change – que acabou virando um hino à Guerra Fria – e a terna Send Me an Angel.

Achtung_Baby_cademeuwhiskey1991: Achtung Baby (U2) – Em meio à explosão do grunge que emergia e revelava grandes nomes do gênero, o U2 lançava aquele que seria o divisor de águas de sua carreira. Um álbum ousado, sombrio e ao mesmo tempo irreverente. Achtung Baby reinventaria a banda que àquela época se via desmotivada. Em parte pela crítica negativa do último disco lançado – Rattle and Hum, de 1988 – e pela crise criativa que assolava os músicos do grupo. Mysterious Ways, The Fly ou Even Better Than The Real Thing mostraram a nova cara do U2 e junto ao grande destaque do álbum, a inigualável One, garantiram o sucesso deste trabalho que salvou a banda num momento em que ela estava prestes a se desintegrar.

ramones_cademeuwhiskey1992: Mondo Bizarro (Ramones) – Se você fizer um exercício de memória talvez se recorde dos hits que empalacaram as paradas durante o ano de 1992. No hard rock Bon Jovi lançava seu injustiçado Keep the Faith, com a excelente I Believe. Já no mundo pop o vocalista estiloso do Right Said Fred bombava nas paradas com I’m Too Sexy, para o delírio das bees enlouquecidas. Já no punk, o Ramones lançava um de seus melhores discos, Mondo Bizarro. Com 13 faixas – entre elas um cover para Take It as It Comes do The Doors – e grandes clássicos como Poison Heart, Strength to Endure e Touring, Mondo Bizarro figura facilmente entre o melhores trabalhos deste que é um dos grande ícones do punk rock.

duran_cademeuwhiskey1993: The Wedding Album (Duran Duran) – Quebrando um pouco da vibe rock and roll dos álbuns listados até agora, trago um pouco de new wave ou new romantic, com um dos melhores trabalhos do Duran Duran, The Wedding Album. Quem não se lembra da emblemática noiva do clipe de Ordinary World, parte deste disco e um dos maiores hits dos ingleses? O trabalho da banda conta ainda com a voluptuosa Too Much Information, as deliciosas Come Undone, Breath After Breath e Sin of the City, totalizando 13 incríveis faixas que mesclam sons dançantes e baladas encantadoras.

oasis_cademeuwhiskey1994: Definitely Maybe (Oasis) – Definitely Maybe, disco debut do grupo inglês Oasis, pode ser considerado um verdadeiro divisor de águas no cenário da música britânica da década de 90, que até então estava em baixa, devido (em grande parte) ao surgimento do já citado grunge. O trabalho do quinteto inglês encabeçado pelos polêmicos irmãos Noel e Liam Gallagher traz grande carga intensa contando as experiências e anseios profissionais e pessoais de Noel e refletindo o que pensava a juventude britânica dos anos 90. Entre os destaques Live Forever, Married With Children, Supersonic e Cigarettes & Alcohol.

radiohead_cademeuwhiskey1995: The Bends (Radiohead) –  Um dos melhores álbuns dos anos 90 – e o melhor de 1995, na opinião humilde desta que vos escreve – The Bends já é considerado um verdadeiro clássico do rock. Letras depressivas, que viajam entre um mundo enigmático e problemas de ordem social são parte das 12 faixas acompanhadas de um instrumental forte e bem arranjado e interpretação intensa e única de Thom Yorke. Entre os destaques as fascinantes The Bends, High and Dry, Fake Plastic Trees e Street Spirit (Fade Out).

rush_cademeuwhiskey1996: Test For Echo (Rush) – O Rush é daquele tipo de banda em que técnica e talento andam de mãos dadas em todos os trabalhos e o lançamento de 1996, Test For Echo, não foi exceção. Abrindo com a autointitulada e magnífica Test For Echo e seguindo com as brilhantes Driven, Time and Motion e Virtuality, o instrumental pesado e quebrado chama a atenção. Em meio à meados dos anos 90, época em que diversas vertentes do rock se sobressaíam, o décimo sexto álbum dos canadenses mostrou que somente com experiência e competência uma banda pode firmar seu nome através do tempo.

verve-cademeuwhiskey1997: Urban Hymns (The Verve) – Me lembro como se fosse ontem a minha curiosidade e encantamento ao ouvir Bitter Sweet  Symphony pela primeira vez. E claro, de cara já virei fã dos caras. E ao ouvir as faixas restantes de Urban Hymns – terceiro trampo do The Verve – não tive dúvidas de que este álbum estaria na minha lista de preferidos. Além de contar com as fascinantes Sonnet, The Drugs Don’t Work, Lucky Man e Come On (esta com a participação de Liam Gallagher), Urban Hymns traz toda a atmosfera britânica presente nos inesquecíveis anos 90. A melodia desencanada existente na maioria das faixas e a interpretação suave de Richard Ashcroft, fazem deste um grande disco.

cademeuwhiskey_The_Chemical_Wedding1998: Chemical Wedding (Bruce Dickinson): Tudo em que Bruce Dickinson toca vira ouro, isso não é novidade e mais uma prova deste talento escandalosamente perceptível está em seu melhor álbum solo, Chemical Wedding, um verdadeiro clássico do metal. Com letras inspiradas na obra do poeta Willian Blake, o disco mostra um instrumental maduro e altamente pesado, executado sobretudo, pelas mãos do guitarrista Adrian Smith, companheiro de Bruce no Iron Maiden. As faixas King in Crimson, Chemical Wedding, Killing Floor e Machine Men são os grandes destaques deste disco que é pura porrada.

bunnymen_cademeuwhsieky1999: What Are You Going To Do With Your Life? (Echo & the Bunnymen) – Fechando mais uma década e desta vez com um dos discos mais poéticos e sensíveis do Echo & the Bunnymen. What Are You Going To Do With Your Life? já começa comovente pela capa, da qual aliás, falei rapidamente aqui. Com letras envoltas no mais puro estado de melancolia e o vocal macio e afinado de Ian McCulloch, o disco traz entre seus destaques a belíssima Rust, Get in the Car, History Chimes e Lost on You. Excelente (e injustiçado) registro fonográfico de uma das grandes bandas góticas oitentistas.

 

Postado ao som do álbum “What Are You Going To Do With Your Life?” (1999) – Echo & the Bunnymen.

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Álbuns, Listas, Música e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s