Sticky Fingers: a história por trás da capa

Sticky Fingers a história por trás da capa

No começo dos anos 70, os Stones se preparavam para lançar seu nono álbum. Com dez faixas, o trabalho trazia entre outras canções as clássicas Brown Sugar, Wild Horses e Dead Flowers. O vocalista Mick Jagger apostava numa capa que combinasse com a ousadia da banda e recrutou um dos maiores artistas pop daquela geração – Andy Warhol – que prontamente se dispôs a trabalhar no projeto.

O pedido formal de Jagger.

O pedido formal de Jagger.

Junto ao fotógrafo Billy Name e ao produtor John Pasche, Warhol resolveu criar algo inovador e, digamos assim, “lúdico” para a arte da capa: um zíper de verdade, que ao ser aberto, revelava uma cueca. Em pouco tempo houve a primeira substituição no mercado: muitos lojistas reclamaram que ao manusear o zíper, o LP era arranhando. A solução? Abrir mais o zíper para o meio da capa…

capa_contracapa

Bela capa!

Porém, contudo, todavia, entretanto, essa não era a única polêmica da capa de Sticky Fingers, afinal, o zíper fazia parte de uma calça jeans que estava recheada – e muito bem, diga-se de passagem – por um moço um tanto “animado”, como podemos BEM notar. Aquilo para os anos 1970 era um verdadeiro escândalo e em muito países a capa ganhou substituições.

Na versão espanhola a capa apresenta  três dedos femininos saindo de uma lata. Já na versão russa,o recheio do jeans é de uma mulher.

Na versão espanhola a capa apresenta três dedos femininos saindo de uma lata. Já na versão russa,o recheio do jeans é de uma mulher.

Mas a pergunta que não quer calar é:

De quem seria o recheio da calça?

Se você respondeu Mick Jagger, Keith Richards ou qualquer outro integrante da banda, está totalmente enganado. O dono do “jeans” atende pelo nome de Joe Dallesandro, um modelo ítalo-americano e queridinho de Andy Warhol. Dá só uma sacada no rosto do dono do jeans:

Ê lá em casa...

Ê lá em casa…

Agora dá um confere em como Dallesandro está hoje em dia:

Coroa enxuto. #Eupegava

Coroa enxuto. #Eupegava

Vale destacar que Sitcky Fingers trouxe pela primeira vez a clássica imagem da “Tongue and Lip Design”, desenhada por John Pasche e que se transformaria na marca registrada da banda.

Tongue and Lip Design

Taí um belo exemplo de como um álbum clássico é lendário em seus mínimos detalhes!

tumblr_m7ogn0LziL1r37y87o3_1280

Postado ao som do álbum “Blues of Desperation” (2016) – Joe Bonamassa.

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Capas de Disco, Música e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Sticky Fingers: a história por trás da capa

  1. Pingback: Dedos pegajosos de Rolling Stones - Lado B Livros

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s