Tributo aos mortos: canções em homenagem a músicos que se foram

Mais do que grandes músicos, intérpretes, poetas ou compositores, eles possuíam sua luz própria, aquela que ilumina somente as mentes e vozes mais privilegiadas. Donos de uma capacidade brilhante de criar, estes artistas marcaram cada um a sua época e nada mais justo do que ganhar uma homenagem de quem assim como eles, também foram agraciados pelo mesmo dom.

Trago abaixo alguns dos inúmeros exemplos de músicas compostas em homenagem a grandes nomes do rock que se foram. Dá um ligo:

“All Those Years Ago” – George Harrison (homenagem a John Lennon): Lançada em 1981 no álbum Somewhere in England, All Those Years Ago foi escrita originalmente com letras diferentes para que Ringo Starr a cantasse. No entanto ele não curtiu o resultado e a música foi deixada de lado, até que depois do assassinato de John Lennon, George Harrison alterou a letra e a gravou em tributo ao amigo e ex-colega de banda. Com Ringo Starr na batera e Paul McCartney nos vocais de apoio, All Those Years Ago foi uma espécie de “reunião temporária” do Beatles, além de uma bela homenagem. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

*Vale destacar ainda as canções ‘Here Today’ de Paul McCartney, ‘Empty Garden (Hey Hey Johnny),’ de Elton John e  ‘Roll on John,’  de Bob Dylan, além de muitas outras compostas em homenagem ao ex-Beatle.

 

“Desperado” – Alice Cooper (homenagem a Jim Morrison): Ao escrever a quarta faixa do lado A do álbum Killer, de 1971, Alice Cooper misturou fatos sobre o personagem de Robert Vaughn do filme The Magnificent Seven a pensamentos e poesias do recém-falecido Jim Morrison, seu amigo e importante influência. A atmosfera crua e soturna da canção lembra e muito a interpretação do vocalista do The Doors. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

 “Johnny Bye-Bye” – Bruce Springsteen (homenagem a Elvis Presley): Uma canção que toma emprestado os versos de um clássico de Chucky Berry (Bye Bye Johnny) e substitui a letra por uma composição abordando a vida, os excessos e a morte do Rei do Rock, Elvis Presley. Johnny Bye-Bye, de autoria do Boss Bruce Springsteen foi gravada em 1982, durante as sessões de Born in the U.S.A. e lançada anos mais tarde – em 1998, para ser mais exata – no box Tracks, que traz 4 álbuns contendo gravações nunca lançadas e alguns lados B. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“Chelsea Hotel #2” – Leonard Cohen (homenagem a Janis Joplin): Em 1971, pouco tempo após a morte de Janis Joplin, o músico e poeta canadense Leonard Cohen se pegou rabiscando versos num guardanapo de um restaurante em Miami. Abalado com a perda da amiga, ele revelou através de sua composição, certa intimidade sexual vivida com a cantora. Mais de vinte anos depois durante uma entrevista, Cohen mostrou arrependimento em ter exposto Janis em sua canção. “Foi uma imprudência da qual sinto muito. Se houvesse uma maneira de me desculpar ao fantasma dela eu o faria.”

Chelsea Hotel #2 é parte do álbum New Skin for the Old Ceremony, lançado em 1974. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“Angel of Harlem” – U2 (homenagem a Billie Holiday): O U2 é uma banda que costuma homenagear grandes músicos através de suas canções e Angel of Harlem é um dos bons exemplos disso. Faixa do álbum Rattle and Hum de 1988, a composição presta tributo à diva do jazz Billie Holiday e ainda faz referências a outros grandes nomes do gênero, como Miles Davis e John Coltrane. Nos últimos anos a banda tem executado a música em seus shows como forma de homenagem a Michael Jackson, morto em 2009. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“Back in Black” – AC/DC (homenagem a Bon Scott): Nada mais justo do que a banda prestar tributo ao próprio vocalista falecido né? E foi exatamente isso que o AC/DC fez não só na composição homônima do álbum Back in Black de 1980, como nas demais faixas do play. Pode-se dizer que o álbum em si é uma homenagem a Bon Scott, falecido no mesmo ano em decorrência de uma intoxicação alcoólica. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“Never Without You” – Ringo Starr (homenagem a George Harrison): Presente no álbum Ringo Rama, de 2003, Never Without You é uma reflexão sobre a perda do amigo e ex-companheiro de banda George Harrison, falecido em 2001 por conta de um câncer de pulmão. Ringo Starr escreveu a faixa que faz referência aos primórdios dos Beatles em parceria com os músicos e compositores Mark Hudson e Gary Nicholson. A canção conta com a majestosa e singular participação de Eric Clapton no solo de guitarra. “Eu realmente queria ele nesta música porque George amava Eric e Eric amava George”, declarou o músico em entrevista à revista gringa Time Out. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“White Lightning” – Def Leppard (homenagem a Steve Clark): A banda britânica homenageia seu guitarrista falecido, Steve Clark, em White Lightning, faixa presente no álbum de 1992, Adrenalize. O título da composição faz alusão à mistura de medicamentos e álcool que matou o músico em 1991. A banda tornaria a prestar tributo a Clark na canção Blood Runs Cold, do álbum Slang, lançado em 1996. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“Tomorrow’s Goodbye” – Lynyrd Skynyrd (homenagem a Ronnie Van Zant): Na belíssima canção gravada em 1999 no álbum Edge of Forever, Johnny Van Zant canta sobre seu irmão Ronnie Van Zant, frontman original da banda, que assim como os integrantes Steve e Cassie Gaines, morreu num triste acidente de avião, como já postado aqui há um tempinho. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

“In My Darkest Hour” – Megadeth (homenagem a Cliff Burton): Abalado pela morte trágica de seu amigo Cliff Burton em 1986, o vocalista do Megadeth, Dave Mustaine, compôs In My Darkest Hour, canção tributo ao baixista do Metallica, banda, aliás, da qual Mustaine fez parte até 1983, quando foi convidado a se retirar. A música é faixa do álbum So Far, So Good … So What!, terceiro da banda, lançado em 1988. Eu sou burro, não sei escrever e copio o post do blog Cadê Meu Whiskey.

 

*******

Postado ao som do álbum “Rarities (1969-1988)”- 2016, Blue Öyster Cult.

Anúncios

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Listas, Música e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Tributo aos mortos: canções em homenagem a músicos que se foram

  1. Darosamath disse:

    Esse post me lembrou a música “tuck in a Moment You Can’t Get Out Of” do U2 que Bono Vox escreveu para seu amigo Michael Hutchence, vocalista do INSX, que se suicidou em 1997. O Bono ficou realmente chateado com esse situação e nunca acreditou que ele tivesse fetio isso.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s