Resenhas: Joe Bonamassa e Lenny Kravitz

Joe Bonamassa e Lenny Kravitz lançaram no último mês dois ótimos trabalhos. O excelente Redemption de Bonamassa é composto por 12 faixas que trazem um apanhado de sons e sensações que viajam por diversas atmosferas musicais. Já Lenny Kravitz traz com seu Raise Vibration muita positividade em outras 12 faixas recheadas de melodias funkeadas e muito groove. Falo rapidamente destes dois discos abaixo. Dá aquele confere!

Joe Bonamassa – “Redemption”: O 13º álbum de Bonamassa -lançado no último mês por sua própria gravadora, J & R Adventures – é mais uma prova da competência infindável do músico americano.

Composto por 12 faixas, Redemption é um verdadeiro apanhado de sons e sensações que vão desde a pegada marcante de um Led Zeppelin, passando pelas elaboradas Big Bands, até o ritmo deliciosamente introspectivo do “Chicago Blues”. O resultado, segundo o músico em entrevista ao site American Blues Scene, se deve a um “despertar e renascimento” pelo qual vem passando. “Eu estou passando por algumas coisas na minha vida que eu não esperava estar passando. É uma ascensão, é aceitação, é tudo. É doloroso, mas sei que há uma vinda crescente.”

Redemption pode ser considerado um álbum conceitual. Suas canções explicitam a evolução musical de Joe Bonamassa como um dos grandes músicos de blues da atualidade, que não se prende a um estilo só e sabe como poucos juntar elementos de diversos gêneros que vão do rock ao jazz, criando uma atmosfera única em suas canções que sempre deixam espaços para arranjos e solos significativos.

Os destaques ficam por conta das faixas Evil Mama (com influência notável de Led Zeppelin), Molly O’ (o Black Country Communion ecoa nessa faixa!), Just ‘Cos You Can Don’t Mean You Should, Redemption (opa, mais Led aqui!) e Love Is A Gamble.

Mais um trabalho ambicioso desta verdadeira lenda viva.

8,5

 

Lenny Kravitz – “Raise Vibration”: “A mensagem continua a mesma. Foi e sempre será sobre o amor… Com essas músicas, eu ofereço a vocês vibrações de paz, amor e união”. Foi assim que Lenny Kravitz explicou seu novo álbum, Raise Vibration, em uma recente declaração. E é dessa forma que ele pode ser encarado em suas 12 faixas que transbordam positividade através de melodias funkeadas e cheias de groove.

Mais uma vez Kravitz é o grande responsável por tocar a maioria dos instrumentos e passear “quase de mãos dadas” com suas grandes influências musicais. “Eu estava realmente confuso sobre quem eu era naquele momento depois de Strut (2014). Então eu só tive que parar todo o barulho e fiquei bem quieto, e parei. Eu não sabia o que diabos eu estava fazendo. Então, de repente, semanas depois, comecei a sonhar e a música começou a aparecer nos meus sonhos. Foi lindo e eu prefiro isso. Eu nunca me sento para escrever. Eu sempre espero até ouvir algo e geralmente vem a mim em sonhos. Mas eu nunca sonhei com um álbum inteiro. Mas essas melodias começaram a aparecer, e eu apenas segui as instruções, cara. Era tudo sobre conseguir o que estava na minha cabeça, o que eu estava ouvindo em meus sonhos, registrando o mais autenticamente possível. Não havia plano nem projeto. Eu não tinha ideia de como faria isso. E quando você ouve o disco, você pode ouvir muitas texturas diferentes, do rock à soul e ao reggae”, contou em entrevista ao site gringo Billboard.

As faixas We Can Get It All Together, Low, Who Really Are the Monsters? , Johnny Cash, The Majesty of Love e Ride merecem um  bis na audição.

Quase 30 anos depois de lançar seu primeiro álbum, Let Love Rule, Kravitz soube moldar um disco todo coeso, e esse tipo de habilidade, quando combinada com suas sinceras crenças hippies, fazem de Raise Vibration uma audição ensolarada e positiva. Uma tentativa bastante significante em passar boas vibrações num momento em que o mundo carece de positividade.

8,5

**************

Postado ao som do álbum “Raise Vibration” (2018), Lenny Kravitz.

Anúncios

Sobre rosegomes

Rose,Tia Rose, Desert Rose ou só Desert, como quiser. Estudante de jornalismo, amante de boa música e boa bebida. Traz no currículo a pretensão de ser um Fábio Massari de saias. Contato: cademeuwhiskey@gmail.com
Esse post foi publicado em Álbuns, Música e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s